24 outubro 2011

IV – Crescimento Bíblico – Reflexão nos Salmos – Deus é o nosso auxilio



Versículo Chave
“Dá-nos auxilio na angustia, porque vão é o socorro do homem”
(Salmo 60.11)
Texto: Salmo 30

Reflexão

"Esse salmo se refere ao pecado de Davi quando solicitou ao Profeta Gada que fizesse a contagem de todos os homens de Guerra. Satanás armou a cilada contra o servo de Deus. Por causa dessa atitude, Deus enviou pestes sobre Israel durante três dias, no qual 70 mil israelenses vieram à morte em virtude da peste. Foi a pior e terrível experiência que Davi teve em sua vida.

Sofrendo com o pesado julgamento de Deus, Davi ora ao Senhor pedindo misericórdia (1Cr 21.17). Deus ouve a oração de seu servo o qual o livra das tenebrosas profundezas do poço da morte no qual tinha caído. Seus inimigos ficaram furiosos ao saber que Davi ainda vivia, pois esses esperavam que o seu Deus o houvesse destruído.

O salmista faz gratidões a Deus e convida para que todos os homens piedosos oferecessem ações de graças ao Senhor, porque o Senhor esta sempre pronto a conceder seu grandioso favor ao seu povo.

O salmista relembra mais uma vez o período critico de sua vida passada, quando Deus o livrou de sua morte eminente e diz essas frases “Eu, me senti seguro e pensei: ‘Não vacilarei jamais’”.

Temos o fato certo de que Deus respondeu as orações de Davi sobre a sua tristeza e que o alegrou de todas as suas angustias.”

Introdução do Estudo Salmo 30

Quem já passou pela experiência de ter sido amparado na hora da dor e socorrido no momento em que pensava que não haveria mais saída, ou ter sido livre de algo terrível no momento mais critico, sempre terá gravado em sua memoria os momentos de angustia e os momentos de alivio e alegria contagiante, instalados no coração, pelo impagável favor recebido. Nesses momentos, somos tomados por sentimento de gratidão pelo que recebemos. Esses sentimentos alcançaram o estrangeiro samaritano, que foi limpo da lepra pelo Senhor Jesus e voltou para agradecer pelo que tinha recebido (Lc 17.15,16).

Nesta lição somos chamados a exercitar nossa fé, confiança e gratidão por tudo que nos acontece (1Ts 5.18) e reconhecer que Deus e o nosso auxilio bem presente:

I - Ele livra e cuida daqueles que o tem como Senhor

Reconhecer Deus como Senhor em nossa vida é confessar que dependemos Dele em todas as circunstâncias, pois Ele nos liberta das cadeias do pecado e determina um tempo para terminar nossas lutas.

Assim diz o Salmista "Senhor, fizeste subir a minha alma da sepultura; conservaste-me a vida para que não descesse ao abismo". E sempre bom lembrar de onde Deus nos tirou, de onde fomos resgatados (Sl 40.1,2); e que se hoje chegamos até aqui é porque Ele, por meio do Espírito Santo, tem nos orientado e cuidado de nós. O Senhor tem nos dado livramento que nem sequer podemos imaginar ou mencionar (Sl 91.7).

Devemos render graças ao Senhor Deus a todo momento, pois fomos salvos e libertos da nossa va maneira de viver (1Pe 1.18) e recebemos perdão, paz e liberdade para vivermos da forma como Ele nos designa (Jo 8.3-11).

Independente de quais sejam nossos problemas ou angustias, eles não durarão para sempre, pois temos a promessa de que o amanhecer nos trará alegria e também o favor do Senhor que dura a vida inteira (v 5b). Sabemos que muitas lutas vivenciadas duram anos a fio, mas o período no "deserto" serve para o nosso aprendizado, para polir nosso "ego" e fazer com que analisemos melhor nossas prioridades e valores, quem sabe, até mesmo, lapidar nosso caráter.

Muitas vezes nos mesmos somos responsáveis em "retardar o amanhecer". Com nossas reclamações e insatisfações com tudo e com todos, nos distanciamos do que Deus tem para nos entregar. Tomemos como exemplo de demora para receber algo, o povo de Israel que, ao sair do Egito, ficou por 40 anos no deserto por causa de suas murmurações.

II - Nele esta a nossa segurança

Segurança é tudo que o mundo não oferece hoje aos que nele confiam. A segurança publica falha, a saúde publica, o governo etc. Segurança total só em Deus.

Somente o Senhor é fonte de refúgio e segurança e podemos constatar isso em Jeremias 17.5 diz: "Maldito o homem que confia no homem...". Este "homem" não está se referindo somente ao nosso próximo, mas a nós mesmos. Quando a pessoa confia que pode realizar algo por seus próprios meios, com certeza se deparará com a desilusão (Pv 16.18), pois tudo que somos, ou possuímos, está debaixo da permissão e vontade do Senhor. Deus possui o controle e tudo e somente nEle devemos depositar nossa confiança e ficar seguros. "E melhor confiar no Senhor do que confiar no homem" ( Sl 118.8).

Por meio da confiança em Deus, nossa fé é provada. Foi o que aconteceu com o Salmista quando passou por uma experiência decrescente, onde a situação confortável que vivia foi-lhe tirada e isso o desequilibrou profundamente (v 6). Isso aconteceu pelo fato de Davi ter se sentido seguro em si mesmo e de ter se tornado orgulhoso devido suas posses (riquezas), poder e fama. Ao receber a correrão vinda do alto, reconheceu que Deus é quem o mantém de pé, e com um ato de humilhação e reverência a Ele, exercita sua fé.

Estamos propícios a errar, tropeçar e até cair, mas se nos humilharmos diante do Senhor, pedindo perdão pelos nossos pecados, arrependendo de todo coração e mudando de atitude, Deus nos dará segurança e firmará os nossos pés na rocha e seremos como a árvore plantada perto de ribeiros de águas, e daremos fruto no tempo apropriado (Sl 1.3).

III - Deve ser um imperativo a nossa gratidão a ELE


Gratidão é um senso de reconhecimento que é o Senhor que tem feito todas as maravilhas em nossa vida: "Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios " (Sl 103.2).

É comum ouvir e presenciar, que a bonança faz com que nos esqueçamos de Deus e que as dificuldades nos fazem achegar a Ele. Mesmo não sendo uma regra, esta afirmação pode ser verificada quando o salmista confiou em seu próprio poder (v 6), não somos diferentes de Davi. Quando nos voltamos a nós mesmos, nos distanciamos de Deus (v 7). Mas pode-se crer em uma coisa e torná-la como regra quando nos humilhamos e nos voltamos para Deus. Ele é é fiel e justo para nos perdoar e nos colocar de pé.

Precisamos reconhecer que tudo está no controle do Senhor e demonstrarmos gratidão a Ele, até nos momentos mais difíceis, pois há propósito nisso e são nestes momentos que somos tratados e moldados, conforme a vontade de Deus "Como o ferro é moldado pelo fogo na bigorna, assim também, no fogo do sofrimento e sob o peso das provações, nossa alma adquire o formato desejado por Deus". Madeleine Sophie Barat.
No versículo 10 do texto que estamos estudando podemos ter certeza de que Deus ouve e responde nossas orações. O salmista ora e clama ao Senhor, depositando nEle toda sua angústia e dor. Davi sabia a quem estava implorando "...ouve, Senhor, e tem piedade de mim...". A seguir, inicia dizendo que o Senhor ouviu sua oração e já respondeu, pois, converteu seu pranto em alegria (v 11). Não se sabe quanto tempo Davi esperou para dizer que obteve a resposta do Senhor e nem quanto tempo levou para que Ele convertesse o seu pranto em festa, mas temos um relato de gratidão tão intenso que Davi queria que os outros também participassem com ele do mesmo sentimento por Deus ter respondido às suas orações.

Deixemos Deus colocar esta alegria em nosso coração e transcender as barreiras de falta de perdão, individualismo, inveja e falta de fé. Sejamos gratos a Deus, crendo que Ele ouve e responde às nossas orações.

Conclusão

Mesmo um homem segundo o coração de Deus (At 13.22) pode cometer erros; se tornar orgulhoso; cometer muitos pecados, mas a benignidade e misericódia do Senhor duram para sempre. Devemos ser gratos a Deus por tudo. Os motivos para adorá-lo são infinitos. Ele demonstrar Sua misericórdia quando perdoa o pecador, e mostra Seu poder quando protege o justo. Para o homem que é resgatado, é evidenciado um sentimento e um mover de adoração a Deus. Seu prazer em mostrar aos outros sobre a bondade, a grandeza e a beleza do Senhor é incontido e transbordante: "Regozijai-vos no Senhor, vós, justos, pois aos retos convém o louvor" (Sl 33.1).

Questionário:

1 - Você reconhece o agir de Deus nos momentos bons e ruins de sua vida?
2 - Se estiver passando por um problema, você crer que é o Senhor que pode te ajudar?

III - Crescimento Biblico - Reflexao nos Salmos - Deus e o nosso Pastor


Versículo Chave

"Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido"
(João 10.14)

Texto: Salmos 23

Introdução

Na vida crista e muito importante que tenhamos Deus como nosso Pastor, se não for assim, nem poderemos designá-la como tal.

Quando aceitamos Jesus, o aceitamos como Salvador e Senhor, ou seja, estamos concordando com a condição de servos. Somo-nos as ovelhas e Ele, o Pastor.

I – Nos da direção (vv 1-3)

Para uma ovelha e fundamental a presença de Seu Pastor, para que o mesmo lhe de direção e a guie. E fato que as ovelhas não enxergam completamente, mas elas ouvem muito bem. Portanto, devem conhecer a voz do seu pastor para que, quando estiver indo por caminho perigoso, possa ouvir a repreensão e, assim, não cair em ciladas.

Como ovelhas de Jesus Cristo, temos por obrigação conhecer a sua voz (Jo 10.27), ter intimidade com ele. Mas quando fazemos isso?

1º) Quando o buscamos

Não ha maneira mais clara e não existe outra forma de conhecermos nosso Pastor e ter intimidade com Ele que não seja buscando-o (Jr 29.13). Mas o que seria buscá-lo? E preciso abrir Mao do meu "eu", não apegar-se as coisas deste mundo, porque onde estiver o nosso tesouro, ali estará o nosso coração (Lc 12.34). E atentar para as coisas que são do interesse de Deus, como, por exemplo: orar, jejuar, ler a Bíblia, participar das atividades da Igreja etc. Portanto, para que o nosso Pastor nos guie, temos que conhecer a Sua vontade para nossas vidas (Rm 12.1,2).

2º) Quando andamos em justiça

Precisamos andar em justiça, e isso significa andar com Deus, lado a lado (Hb 11.5; 7). E andar no caminho Dele. Como podemos esperar que Ele nos guie, se a nossa vida não condiz com Seu padrão estabelecido nas Escrituras Sagradas, como podemos esperar se somos falsos com relação ao nosso testemunho, se dizemos que fazemos isto ou aquilo, e praticamos algo totalmente diferente diariamente, então estamos completamente fora do plano de justiça do Senhor.

II – Nos da proteção (Vv 4, 5)

Uma das principais funções de um pastor frente a sua ovelha e protegê-lo dos diversos perigos, como ataque de feras, como fez Davi, quando veio sobre o rebanho um Leão e também um urso. Davi os feriu, resgatando assim a ovelha de sua boca (1Sm 17.34-36). Assim, também, faz o nosso Pastor (Jo 10.11-15). Livra-nos diariamente das astutas ciladas do diabo, nosso inimigo, que vive ao nosso redor, rugindo como um leão, procurando a quem possa tragar (1Pe 5.8). Mas, para ter a proteção de nosso Pastor, temos que atentar para dois fatos importantes:

1º) Não devemos temer o mal

Deus não quer compromisso com covardes. Apocalipse 21.8 diz que a recompensa do tímido (uma expressão que significa covarde) será o lago que arde com fogo e enxofre, ou seja, a segunda morte. Devemos ser corajosos, sem olhar para as circunstancias. Mas e claro que, também, não devemos confiar em nos mesmos (Jr 17.5), ate mesmo, porque nada somos (Gl 6.3). Devemos sim, confiar em Deus, como fez Daniel, que assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei (Dn 1.8). Mesmo sabendo do edito real, que seria lançado na cova dos leões, quem fizesse petição a qualquer deus ou homem a não ser ao rei Nabucodonosor. Daniel não acovardou, antes se prostou diante do Seu Pastor e orou como dantes fazia, e assim teve a proteção que o livrou da boca dos leões (Dn 6).

2º) Devemos confiar Nele

Quando depositamos a nossa confiança em Deus, em outras palavras estamos admitindo que somos fracos e que Ele e forte (isso e agradável a Deus). O Senhor resiste ao soberbo e diz, na Sua Palavra, que ela precede a ruína (Pv 16.18a). Devemos tomar o exemplo de Davi, que sendo apenas um frágil menino, confiou em Deus lutando com o gigante filisteu, vencendo-o no nome do SENHOR dos Exércitos, o pastor de Israel (1Sm 17.45-50).

III – Nos da salvação (V 6)

Se tivermos Deus como o nosso Pastor, a nossa salvação estará garantida (Jo 10.28). Este será o grande premio que Ele nos reservou: Uma nova terra com pastos verdejantes (Jo 10.9) e águas tranqüilas, onde estaremos livres de todo o mal. Ali viveremos para sempre em paz.

Como podemos ter certeza disso?

1º) Por causa de sua bondade

No evangelho de Mateus, capitulo 7 e versículo 11, esta escrito: “Se, vos, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais o vosso Pai, que esta nos céus, Dara bens aos que lhe pedirem?” Deus e bom e, por isso, nos concede a salvação, que e uma coisa boa. Diz a Escritura: “Mas, como esta escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam” (1Co 2.9).

2º) Por causa de sua misericórdia

Muitas vezes, cometemos algo errado, então logo pensamos: “Não faço mais parte do rebanho do Senhor”. Mas o nosso Bom Pastor vem com a Sua imensa misericórdia e nos oferece perdão, mediante sincera confissão (1Jo 1.9), nos tranqüiliza, mostrando que ainda somos ovelhas do Seu pasto (Sl 100.3). A Sua Palavra nos garante que a Sua misericórdia se renova a cada manha (Lm 3.22,23). Somos exortados a não pecar, apesar de temos um Advogado que nos defendera, caso fracassemos (1Jo 2.1). O Senhor e bom e a sua misericórdia dura para sempre.

Conclusão

Se tivermos o Senhor como o nosso Pastor, só teremos a ganhar, pois Ele cuida de nos em todos os aspectos, “nada nos faltara”. Mas vale lembrar que na vida crista nem tudo são flores, existem os espinhos também. As lutas virão, mas, se segurarmos na Mao do Pastor celestial, sairemos vitoriosos. Se não abandonarmos, Ele nunca nos abandorara.

Questionário:

1 – O que e andar em justiça?