17 fevereiro 2013

ENTENDENDO A NATUREZA DA IGREJA

Carta de Paulo aos Colossenses

Colossenses 1.1-8
"Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, aos santos e irmãos fiéis em Cristo que estão em Colossos: graça a vós e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e da do Senhor Jesus Cristo. Graças damos a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, orando sempre por vós, porquanto ouvimos da vossa fé em Cristo Jesus e da caridade que tendes para com todos os santos; por causa da esperança que vos está reservada nos céus, da qual já antes, ouvistes pela palavra da verdade do evangelho, que já chegou a vós, como também está em todo o mundo; e já vai frutificando, como também entre vós, desde o dia em que ouvistes e conhecestes a graça de Deus em verdade; como aprendestes de Epafras, nosso amado conservo, que para vós é um fiel ministro de Cristo, o qual nos declarou também a vossa caridade no Espírito.".

Introdução:

Colossos era uma cidade da Frígia, localizada na província romana da Ásia. De lá, Epafras trouxe uma carta a Paulo, apresentando um relatório sobre a situação da igreja. A carta apresenta pontos positivos e negativos, como veremos no estudo a seguir.

No decorrer do estudo da epístola perceberemos que somente por meio da intimidade com Jesus conseguiremos entender os "mistérios" revelados na plenitude dos tempos. Estando e vivendo em Jesus seremos capazes de entender a natureza da Igreja. Fora de Cristo não existe possibilidade de compreendermos as verdades espirituais.

Diante disso, qual seria a posição dos membros na igreja?

Se olharmos para a Igreja com os olhos naturais, veremos nela tantos erros que poderemos desanimar em prosseguir na jornada cristã. No entanto, o andar em comunhão com Cristo muda nossa concepção e nos faz vê-la como sendo a maravilhosa obra prima de Deus. Esta era a visão do apóstolo Paulo. Mas como podemos constatar isso?

Podemos constatar da seguinte forma:

1º) Deus determina nossa posição funcional no Corpo - Paulo entra com a seguinte argumentação: "Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus" (versículo 1 deste estudo).

Ele tinha convicção da sua incumbência no corpo, pois costumava afirmar: "Pela vontade Deus sou o que sou" (1Co 15.10). A Igreja é o Corpo vivo de Cristo e o Pai a organizou como quis (1Co 12.18). Portanto, Sua vontade santa deve ser atendida a qualquer custo.

É importante que todos os membros tenham esta consciência: Pastores, presbíteros, diáconos, cantores, professores, membros em geral. Fomos colocados na igreja para que pudéssemos desempenhar uma função estabelecida por Deus.

2º) Deus determina nossa posição legal no Corpo - "aos santos e irmãos fiéis em Cristo que estão em Colossos..." (versículo 2, parte "a" deste estudo)

Os santos são os que estão ajustados ao Corpo de Cristo. São denominados assim, porque o Senhor os resgatou para serem Dele (Tm 1.6). É isto que define um "santo". É alguém que deixou de ser inútil e passou a servir ao Senhor de todo o coração. Quanto mais o coração do cristão estiver voltado para o Reino de Deus, mais santo ele será.

3º) Deus determina nossa posição filial no corpo - "...graça a vós e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e da do Senhor Jesus Cristo" (versículo 2 parte "b" deste estudo)

Que afirmação alentadora! Que segurança ela nos proporciona! Temos direito a graça e a paz de Deus porque Ele é o "nosso Pai" e Pai do nosso Senhor Jesus Cristo (versículo 3 deste estudo). Aqui está a riqueza da intimidade com Jesus: "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo" (Ef 1.3). Fora de Cristo o homem só tem direito as coisas passageiras, breves (efêmeras) deste mundo, e quando morrer, sua herança será a angustiosa espera pelo juízo final, bem como a condenação que de lá proceder, enquanto que o cristão fiel receberá paz, alegria, descanso e uma vida eterna ao lado do Senhor.

Como deve ser o caráter dos membros na igreja?

O cristão precisa ter seu caráter transformado, e esta transformação só poderá acontecer se permanecermos no Senhor. Somente quando andamos com Ele é que podemos aprender a ser como Ele é (Mt 11.28-30). A religião não pode mudar o caráter do homem, só Jesus pode fazê-lo. E quando esta mudança ocorre se nota em seu caráter um novo homem. Vejamos:

1º) O novo homem passa a expressar sentimento fraternal - "Graças damos a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, orando sempre por vós" (versículo 3 deste estudo).

Vejam que o sentimento do apóstolo é digno de ser imitado, pois demostra fervorosa gratidão pela vida dos irmãos colossenses, ao afirmar que ora sem cessar por eles, dando graças a Deus. Qual o motivo do agradecimento de Paulo? Certamente por ver os colossenses exercendo um sentimento de fraternidade para com todos os santos (v. 4). Devemos ter o mesmo sentimento em relação aos irmãos, os da nossa congregação e os de outras denominações também. Mas só quem tem intimidade com a "Cabeça", pode ter intimidade com o "Corpo". Notem que Paulo, outrora Saulo era um homem que perseguia os cristãos e os levava presos e quando não era possível eliminava-os, teve um encontro com Jesus e a partir dali começou a propagar o evangelho de Cristo. Paulo teve seu caráter transformado pelo poder de Jesus Cristo.

2º) O novo homem passa a expressar fervor relevante - "porquanto ouvimos da vossa fé em Cristo Jesus..." (v. 4a).

Ouvir falar de fé significa ouvir falar das obras, pois não existe fé sem obras (Tg 2.17). São elas que expressam o fervor cristão. Não apenas o falar em línguas ou o manifestar de qualquer outro dom espiritual que identifica um crente fervoroso. Aos irmãos de tessalônica, Paulo pôde afirmar: "Lembrando-nos, sem cessar, da obra da vossa fé, do trabalho da caridade e da paciência da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai" (1Ts 1.3). Paulo destacou portanto a fé que os colossenses tinham. Portanto, eles não poderiam ter só fé porque a fé sem obras é morta e não basta ter só obra, tem que ter fé de qualquer jeito. Os dois caminham juntos. O novo homem passar a sentir fé e com ela passa a praticar as obras. Esse é um homem de caráter transformado. Cabe a nós como filhos íntimos do Senhor, o dever de expressar glorioso fervor também.

3º) O novo homem expressa amor imparcial - "...e da caridade que tendes para com todos os santos" (v. 4b)

A caridade é a mais forte expressão de amor cristão (1Co 13). É um amor que não se resume a um sentimento, mas que é demonstrado em ações. Quem convive com o Senhor, dia após dia, o adquire, porque Deus é amor (1Jo 4.8).
A caridade ou amor para com todos os santos indica um amor imparcial ou seja, (imparcial significa justo, reto). Quem vive este amor tem o maior de todos os dons. Ama indistintamente, incondicionalmente, sem fazer acepção de pessoas. O novo homem cristão que tem intimidade com o Senhor expressa amor caridoso para com "todos os santos" e não para com um grupo isolado. Jesus disse em Lucas capítulo 6 a partir do versículo 27 em diante que, "Mas vós, que isto ouvis, digo: Amai a vossos inimigos e fazei bem aos que vos perseguem". E agora, o que se deve fazer? Isto é figurativo ou é literalmente? Outro dia uma pessoa nos perguntou: "Se alguém lhe der um tapa no rosto o que você faria?" Antes de responder eu lhe fiz a mesma pergunta e a resposta foi rápida: "Eu o enfrentaria sem pensar duas vezes". Então eu respondi a pergunta: Jesus levou muitos tapas no rosto e foi levado ao matadouro calado. E ele respondeu: "aquela expressão que Jesus disse se alguém lhe der um tapa na face dê-lhe a outra também era figurativo." Eu disse a ele que na Bíblia não explica nenhuma parábola quanto a isso. Então se não tem explicação para isso não pode ser figurativo, é literal. É aí que devemos mostrar nosso amor para com as pessoas que nos odeiam. Amar aquele que nos persegue ou nossos inimigos é difícil. Mas devemos aprender com Cristo essa humildade. É por isso que Primeiro Coríntios está escrito sobre a excelência do amor. Quem tem amor consegue chegar a totalidade de Cristo.

Qual a posição dos membros da igreja quanto às suas virtudes?

A virtude do servo de Deus é a vida dinâmica do Senhor. Em Jesus podemos depositar total confiança porque estamos Nele e Ele está em nós. Os que não tem esta intimidade são apático (indiferente, insensível) e indolentes (ocioso; preguiçoso). Não conseguem expressar a vida do Senhor. Diante disso, como podemos destacar as virtudes dos membros na igreja?

1º) Tendo uma firme esperança - "Por causa da esperança que vos está reservada nos céus, da qual já, antes, ouvistes pela palavra da verdade do evangelho" (v.5).

O cristão é cheio de esperança, porque sabe que quem lhe prometeu não pode falhar. É esta esperança viva que, quando arraigada na mente e no coração do cristão, justifica a renúncia, o desprendimento, a doação total e o zelo na obra de Deus. Aqueles que abandonaram o exercício desta virtude perderam o ânimo, a alegria espiritual e o fervor, apegando-se às coisas deste mundo como única razão de ser. A virtude da esperança tem as seguintes peculiaridades:

a) Está guardada nos céus

A esperança que Paulo faz menção é de origem divina. Só pode gozar dos seus favores, aquele que tem seus objetivos firmados no porvir, que sabe contar o seu tempo nesta terra e sabe que a nossa "pátria está nos céus" (Fp 3.20). Portanto, "retenhamos firmes a confissão da nossa esperança, porque fiel é o que prometeu" (Hb 10.23).

b) Está apoiada no poder do evangelho

Esta esperança não está apoiada em promessas de homens mortais, mas foi o nosso Senhor quem prometeu. Ela está contida na pregação do evangelho que é o poder de Deus para salvar (Rm 1.16,17). Temos a certeza de que podemos esperar nele segundo o poder do evangelho. "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos." (1Pe 1.3).

2º) Tendo uma vida frutífera - "... e já vai frutificando, como também entre vós, desde o dia em que ouviste e conhecestes a graça de Deus em verdade" (v.6)

O cristão que já experimentou o poder do evangelho e as riquezas da intimidade com Cristo, "já vai frutificando". Não podemos conceber um cristão que, depois de ouvir o evangelho e conhecer a graça de Deus em verdade, continue estéril. "Eu sou a videira, vós, as varas; quem está em mim, e eu nele, este dá muito fruto..." (Jo 15.5). O fruto é resultante da "graça de Deus em verdade" (Jo 15.8).

Concluímos nossos estudos e aproveitamos em dizer que devemos começar a pensar que os cristãos precisam manter-se em comunhão íntima com o Senhor. Esta é a única maneira pela qual podemos crescer em entedimento espiritual.
A igreja é o bem mais precioso do Senhor. Precisamos entender sua natureza a fim de que saibamos como nos relacionar adequadamente no Corpo.
Tome uma decisão agora. Seja resoluto e comece a buscar as riquezas da intimidade com Cristo.