28 janeiro 2015

- Restaurando o altar (1 Reis 18.30-39)

A oração do Profeta Elias

Os profetas eram pessoas que falavam por Deus e que comunicava corajosamente a mensagem de Deus para seu povo escolhido - a nação de Israel.

Elias foi um dos mais proeminentes profetas do Antigo Testamento. Seu ministério ficou marcado por duas características distintivas:

  1. Por fazer descer fogo do céu; e
  2. Por sua predisposição para a oração.

Dentre as várias orações do profeta Elias, vamos nos concentrar naquela feita no monte Carmelo, quando ele enfrentou os profetas de Baal, prevalecendo sobre eles, levando o povo ao reconhecimento de que só o Senhor é Deus.

Neste estudo veremos quais foram as atitudes e os resultados obtidos através da oração do profeta Elias.

I - As atitudes na oração do profeta

As atitudes corretas na oração podem ser determinantes para que se tenha uma resposta positiva. Não devemos nos aproximar de Deus de qualquer maneira.

A oração mais significativa é a que brota de um coração cuja confiança está depositada no Deus que agiu e falou através do Jesus histórico e dos ensinamentos da Bíblia. Deus fala conosco através da Bíblia, e nós respondemos com uma oração cheia de confiança e fé. Com base na afirmação bíblica de que Deus é pessoal, vivo, conhecedor de todas as coisas, infinitamente sábio e Todo-Poderoso, cremos que pode nos ouvir e nos ajudar. Uma vida devocional vitoriosa tem como pedra angular a obra e as palavras de Cristo, registradas na Bíblia através dos profetas e apóstolos.

1 - Primeira atitude

- Edificou o altar

"Então Elias disse ao povo: chegai-vos a mim. E o povo se chegou a ele; e restaurou o altar do Senhor, que estava quebrado" (v. 30).
Restaurar o altar foi a primeira atitude de Elias, antes de entrar de fato na oração. O altar em ruínas denunciava a condição espiritual da nação, uma vez que demonstrava o quanto o povo estava distante da adoração a Deus. 

O primeiro altar mencionado na Bíblia foi construído por Noé, depois do dilúvio (Gn 8.20).

O termo hebraico traduzido por altar significa "lugar de matança ou sacrifício". Entretanto, os altares veterotestamentários não serviam apenas para o sacrifício de animais. Josué 22.26-29 indica que eventualmente se erigiam altares para que os israelitas se lembrassem de sua herança ou para destacar um fato importante. Às vezes, o altar era usado como lugar de refúgio (1Rs 1.50, 51; 2.8).

Durante os dias de Moisés, dois altares sacerdotais tiveram participação importante no ritual do Tabernáculo no deserto. Esses eram o altar do holocausto e o altar de incenso.

No tabernáculo, o altar era o primeiro objeto a ser visto, o local do sacrifício, ao qual o pecador precisava transpor caso quisesse pôr-se ao alcance de Deus. Ninguém chegava ao Santo dos Santos sem passar por ele. Da mesma maneira, antes de orar, devemos restaurar o nosso altar, ou seja, confessar os nossos pecados, reconciliar com o nosso irmão, pois somos templo do Espírito Santo de Deus (1Co 6.19).

2 - Segunda Atitude

- Aproximou-se de Deus
"...Elias se aproximou e disse: Ó Senhor Deus... manifeste-se hoje que tu és Deus em Israel, e que eu sou teu servo..." (v. 36).

O profeta Elias foi uma grande demonstração de humildade. Embora estivesse revestido de toda a autoridade profética, fazendo uma obra que o tornaria famoso em toda aquela região, não se furtou à responsabilidade de deixar claro que aquela obra procedia de Deus e que ele era tão somente um servo. Agir como servo implica em orar de acordo com a vontade do Pai, esperando com paciência o Seu agir, sabendo que Ele, como Senhor pode nos responder segundo a Sua vontade (Sl 40.1). Quantos não têm encontrado respostas para as suas orações por não conseguirem assumir esta imprescindível posição, o de servo.

3 - Terceira atitude

- Fé
"Responde-me, Senhor, responde-me, para que este povo conheça que tu és o Senhor Deus..." (v.37).

Elias orou com uma fé inabalável no verdadeiro Deus, o Deus de Abraão, Isaque e Israel. O conhecimento que ele tinha do Senhor fez com que tivesse plena certeza da vitória naquele embate, mesmo com a quantidade de profetas de Baal. Elias é um exemplo de como devemos orar, de como devemos buscar ao Senhor. Os profetas de Baal dirigiram-se com muita convicção a um "deus" mudo, cego e paralítico. Nós, por muitas vezes, fazemos o movimento oposto: oramos sem convicção ao Deus Eterno. De todos os requisitos para a resposta de Deus às nossas orações, a fé assume a primazia. "E Jesus disse-lhe: se tu podes crer, tudo é possível ao que crê" (Mc 9.23).

II - Resultados da oração

A palavra de Deus nos fala que se lhe pedirmos alguma coisa, crendo de todo o nosso coração, Ele nos concederá segundo a Sua vontade (Mc 11.24). Elias sabia qual era a vontade do Senhor, por isso pediu com confiança, e creu na resposta. Veremos a seguir os resultados da oração de Elias:

1. A resposta de Deus

"Então caiu fogo do senhor e consumiu o holocausto, e a lenha, e o pó, e ainda lambeu a água que estava no rego" (v. 38).

A oração foi breve, mas eficaz. A forma poderosa e sobrenatural como Deus a respondeu não deixou qualquer margem para dúvida. Todos os presentes ficaram profundamente tocados com a demonstração do poder de Deus; e não poderia ser diferente! Quando oramos a Deus, segundo a Sua vontade, as pessoas ao nosso redor também são influenciadas. O fogo era uma das formas de Deus manifestar-se ao seu povo. Devemos estar com o nosso altar sempre aceso com esse fogo. Que a chama do Senhor não se apague do nosso coração, como está escrito: "O fogo arderá continuamente sobre o altar, não se apagará" (Lv 6.13).

2. O nome do Senhor foi glorificado

"O que vendo todo o povo, caiu de rosto em terra, e disse: O Senhor é Deus! o Senhor é Deus" (v. 39).

O impacto da resposta divina reacendeu, ainda que temporariamente, a chama da adoração, sufocada por décadas de idolatria. Devemos sempre nos lembrar de que somos instrumentos nas mãos do Senhor e que toda a gloria deve ser dada a Ele. Assim como Elias, devemos também agir como servos humildes, principalmente quando sabemos que não somos nada sem Deus. A Bíblia diz que os que se humilham serão exaltados (Mt 23.12), e a resposta de Deus à oração do profeta fez com que ele fosse exaltado em meio àquela multidão.
"Tua, Senhor, é a grandeza, o poder, a honra, a vitória e a majestade, porque teu é tudo quanto há nos céus, e na terra, teu, Senhor, é o reino e Tu te exaltaste por chefe sobre todos"  (1Cr 29.11).
Concluímos dizendo que as Escrituras revelam que "Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra. E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto" (Tg 5.17). O fato de ter todas as suas orações respondidas nos mostra o quanto Elias sabia como buscar a Deus e quanto conhecia a Sua vontade. O exemplo deste profeta desafia-nos a trilhar o mesmo caminho. Afinal, trata-se de uma disciplina indispensável para a alma. E, se em última análise percebermos que a oração não mudou as circunstâncias, ela terá cumprido o seu importante pepel de mudar a nossa disposição espiritual.